Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

horas extra

Blog de escrita nas horas extra dos dias

horas extra

Blog de escrita nas horas extra dos dias

# Este país não é para velhos II

Hoje um profissional de saúde disse-me com uma frieza desconcertante "morreu, já tinha 80 anos, tinha de morrer", depois de eu relatar o caso de um familiar de alguém que morreu de Covid19, após ter sido infetado pela auxiliar de saúde que ia a sua casa.

Pergunto aos profissionais de saúde - médicos e enfermeiros - se fosse o caso de um familiar seu se seriam tão frios assim, de uma frieza sueca. 

Será tudo descartável, velhos a mais, velhos doentes, pessoas que contribuíram para o país?

Há semanas li algures que alguém fazia uma tese de mestrado sobre a comunicação amável entre médico e paciente, pois muitas vezes a palavra soa a "morgue hospitalar" :  "olhe, tem um cancro e idade ou não sabe?".  Por contraste há quem meça as palavras, talvez por ter outra cultura, de outro país : "olhe, se a senhora fosse saudável, o seu organismo obedeceria,  tal não é o caso."

Conheço um caso em que uma família não se pôde despedir da sua ente querida, doente terminal e, por força das leis Covid19 nem sequer viu essa ente querida em descanso eterno. 

Termino dizendo que este país foi feito por velhos de 70/80 anos que lutaram em tempos idos para que houvesse democracia, SNS, educação e saúde para todos, emprego, habitação, condições de vida, igualdade, liberdade, justiça. 

Portanto, quando parte um velho, não é só uma biblioteca inteira é uma parte de um país que se chama Portugal.

Aos meus pais. 

@mmalheiro

 

publicado às 20:35

...

Final de Julho, Lisboa. 

Ao lado dos correios há uma fila imensa. Há pessoas, jovens na sua maioria, com sacos cheios à porta da loja. Chamam me a atenção, dizendo me que a loja tem várias bicicletas e outros produtos. Ali não há pão mas vendas para se ter pão na mesa.

Mais acima um restaurante tem um aviso na porta "fechado por tempo indeterminado". 

Filas da fome em Lisboa em paralelo com drinks de fim da tarde e shares de televisão. Fogueiras de vaidades.

@mmalheiro

 

publicado às 11:26

# Da apologia de um ensino de proximidade

iniciou-se na semana passada, oficialmente, por força das dramáticas circunstâncias em que vivemos ( a pandemia do Covid-19) , um ensino à distância (EAD).

se em alguns casos há computadores para cada filho, pais a partilharem esses computadores pois estão em teletrabalho, na maior parte dos casos não há nem computadores, nem internet, nem telemóvel.

há alunos cujas famílias têm de ir buscar o almoço à escola porque pertencem ao escalão A, ou seja, os pais recebem menos do que o ordenado mínimo nacional.

muitos desses alunos não têm computador, nem tablet, nem telemóvel.

quando dizem aos diretores de turma- "ah o meu pai não recebeu o email, o email não funciona", o professor percebe logo que, no meio de tudo aquilo há uma imensa vergonha, a vergonha da pobreza, do desemprego, da escassez de meios. vergonha que vai aumentar com a crise económica que se aproxima.

há 13 anos atrás o programa E-escolas trouxe ,talvez de forma megalómana, um computador para cada aluno, um magalhães ou um portátil antigo reciclado. nenhum estudante estava como hoje a dizer "tenho os trabalhos feitos mas não os posso enviar, não tenho Internet".

é realmente de aplaudir o esforço de professores, diretores de turma, diretores de escola, presidentes da câmara, na gestão deste ensino à distância.

hoje um aluno sem computador, sem telemóvel, teve direito a um tablet emprestado da escola.

a diretora de turma quase chorava ao telefone a contar isto. "vai fazer os trabalhos todos, dizia-me."

à beira da reforma esta professora leciona desde o 25 de abril de 1974, talvez por isso tenha este espírito de solidariedade e partilha com os seus alunos.

eu só pensava que há aqui algo de muito errado. planifique-se o ensino à distância, a pseudo-telescola mas pense-se nos alunos nos seus contextos sociais.

se houver uma segunda "onda" de covid-19 no outono como vão aprender estes miúdos , com os pais no desemprego, no lay-off, a buscarem refeições à escola, com rendas em atraso, enfim, numa incrível precariedade económica?

portanto, hoje mais do que tudo há um ensino de proximidade, à distância de um telefonema mesmo dentro de um confinamento necessário.

à professora Dolores e a todos os professores 

@mmalheiro

 

publicado às 01:48

# Das sementes de violência num país chamado Portugal

38da880ab256fd9bd6043693f262d361.jpg

Numa semana em que foram vários os casos de violência contra médicos em centros de saúde e hospitais, veio parar-me aos "olhos" ( Crónica de MEC no Público de hoje) uma reportagem sobre um bailarino homossexual que acabou os seus dias no Hospital Miguel Bombarda em Lisboa por culpa do regime salazarista. Foi sujeito a uma lobotomia- tratamento criado por Egas Moniz que lhe trouxe um prémio Nobel-e foi uma vítima até ao fim.

O antigo "Rilhafoles" foi palco de uma tragédia em 1910,  quando o médico Dr. Miguel Bombarda foi alvejado por um doente "louco", oficial do exército,  2 dias antes  do 5 de outubro.Acabaria por morrer no hospital de S.José. 

Saúde mental e violência são temas pouco abordados em Portugal. Os casos de violência para com médicos, professores são reveladores de uma sociedade violenta e com problemas de saúde mental. Reclamar de um serviço público é possível- está lá o livro de reclamações.

Atirar mesas, cadeiras, partir telemóveis e teclados, esmurrar professoras grávidas, atropelar propositadamente professores, encurralar médicos em gabinetes e feri-los de tal maneira que necessitam de procedimentos cirúrgicos é gravíssimo. Os serviços públicos estão com falta de pessoal, de meios para trabalhar, de boa gestão de serviços ( o Ministro Santos Silva referiu-se aos maus gestores nas empresas, faltam muitos e bons gestores de recursos humanos nos serviços públicos, provavelmente em todos os setores). Hoje um hospital da área de Lisboa está com "constrangimentos"- 9h de atraso para atendimento de doentes com pulseira verde ( menos urgentes), estando os doentes a ser encaminhados para outros hospitais.

O excedente do défice orçamental de Centeno conduz a este caos. Contratando mais pessoal, quer para os hospitais, USF, escolas, serviços administrativos vários do Estado- nomeadamente Segurança Social- e até colocando algo tão simples como cadeiras em Bancos estatais ( estive numa sucursal que tem 6 cadeiras apenas para uma vasta população, a maioria idosa), regularizando processos do Simplex de Mariano Gago, mas, sobretudo, analisando socialmente uma população mentalmente doente , talvez o país entre num rumo "normal". Nada disto é normal. 

Saúde, Educação, Administração Interna , Economia são como "órgãos em falência" num corpo moribundo chamado Portugal. 

Para consulta fica aqui o Relatório da Faculdade de Medicina da Universidade Nova de Lisboa sobre a Saúde Mental e um artigo de Tiago Santos ( 10/10/2019/ Público) sobre o estado da Saúde Mental em Portugal.

@mmalheiro

[Nenhum político deve esperar que lhe agradeçam ou sequer lhe reconheçam o que faz; no fim de contas era ele quem devia agradecer pela ocasião que lhe ofereceram os outros homens de pôr em jogo as suas qualidades e de eliminar, se puder, os seus defeitos.]

Agostinho da Silva

 

publicado às 22:04

# O país da passividade

Ontem num hospital da zona de Sintra esperei com uma familiar direta mais de 10h por um atendimento urgente.

De acordo com o sistema da triagem de Manchester, uma "pulseira amarela" é urgente e uma "pulseira laranja" muito urgente. Ontem o tempo de espera dos "urgentes" foi superior a 10 h. 

Os verdinhos galopavam rapidamente. "Medicina", por contraste, tinha 200 doentes para atender perto da uma da manhã.

Passivamente várias pessoas, maioritariamente de idade avançada, aguardaram a sua vez. Muitos entraram na urgência geral às 10h e saíram à uma da manhã do dia seguinte.

Lá dentro havia médicos em passeio, enquanto doentes esperavam , talvez com uma "capacidade budista". Na mudança de turno houve quem ficasse sem médico atribuído. Doentes dormiam já , não em macas, mas em frios bancos metálicos. Há anos uma familiar minha que tinha um problema cardíaco ficou no corredor deste hospital durante horas, sem assistência. 

Questionei uma familiar para saber se achava este funcionamento "normal".

Quando disse alto mas educadamente que descontamos no vencimento para um atendimento "como deve ser" senti olhares de reprovação. "Ui, uma rebelde".

Foi para isso que foi criado o SNS.O  Direito à saúde é o que está escrito na CRP há mais de 40 anos.

Obviamente quem faz dupla tributação para a SS e ADSE escolhe um hospital privado mas muitas vezes também não há especialidades ou máquinas a funcionar em pleno.

Em França há uma greve geral. Às vezes gostava de ser "francesa".

@mmalheiro

 

publicado às 22:15

# Da contabilidade da violência nas escolas

256b31e2849e016b9c9190cebdad6602.jpg

Foto in Pinterest

No Blog "Comregras" conhecido na comunidade docente, a par do Blog de Arlindo, há agora, infelizmente, um contador de casos de violência, 24 até ontem. 

Ao contrário do caso do professor de Informática, que numa escola das avenidas novas de Lisboa, perdeu a cabeça numa turma de classe média alta, mas  sem regras, foi detido, suspenso de funções e repreendido publicamente pelo Ministério da Educação, nestes 24 casos, não houve qualquer reação por parte de nenhum membro do Governo.

Ontem uma professora grávida foi agredida de forma vil , em plena sala de aula , numa escola de primeiro ciclo, em Lisboa, pela mãe de um aluno.

É abjeto, inadmissível, o silêncio perante um caso gravíssimo. Onde está a detenção imediata desta mãe? Quando será presente a um juiz? Quando ficará de pulseira eletrónica ou em preventiva? Quando haverá mão firme da Justiça e por parte do Ministro da Educação? 

O Sr. Presidente da República já apurou factos , deu apoio, como noutras situações?

Recentemente, veio a público a notícia da morte de um professor após a agressão de um aluno em plena sala de aula. Foi em Inglaterra. 

Quantos professores desistirão de dar aulas por casos destes? 

A minha homenagem sentida a todos os professores e funcionários alvo de agressão em escolas em Portugal. O meu sincero desejo para que a minha colega ,que ontem foi agredida barbaramente, esteja bem , assim como aquele que transporta no ventre.

@mmalheiro

 

 

publicado às 19:20

# Da vida numa bolha- a Educação ( feat. Madness)

há dias assim: de manhã leio um artigo de um padre em picardia com um secretário de Estado, à hora de almoço cai no meu email um blog novo de um professor, de carreira feita, provavelmente num escalão aceitável para viver tranquilamente e que subitamente se cansou de tudo e meteu Licença sem Vencimento de Longa Duração. O que este professor escreve é demonstrativo da absoluta verdade, fora de uma bolha que querem parecer aos outros "perfeita", a da Educação. Se os relatórios da OCDE e do CNE revelam aquilo que já se sabe, que há uma classe docente envelhecida e cansada, sem renovação de quadros, com candidatos a docentes de carreira com vinte anos de serviço, no lado da "bolha educativa" há a visão fantástica de disciplinas de projeto de cidadania, de dispensa de três horas aos funcionários públicos no primeiro dia de aulas dos filhos, de passes familiares em autocarros com menos cadeiras ou comboios a abarrotar de gente, de uma escolaridade obrigatória menos exigente, sujeita a domínios de aprendizagens essenciais, em que o acesso à informação é totalmente "simplex" nada "complicadex" -com algum interesse  como há 25 anos atrás -quando se tinha de pesquisar mesmo  para aprender. Que geração será esta no futuro? uma geração em que lhes é transmitido que tudo é fácil,  que não é necessário grande empenho para transitar de ano, em que o respeito pelo outro- professor, pais, funcionários, qualquer um- é algo tão mínimo e relativo que se dissipa pelo tempo. lembro-me da minha professora de História do 12º ano nos ter dado ,no ínicio do primeiro período, três páginas de bibliografia para pesquisarmos e estudarmos. pensámos na altura que era uma megera insana. no primeiro ano da Faculdade e seguintes a história era igual. É questionável, então, se há tempo por parte do aluno para a aquisição plena dos conhecimentos e para uma perspetiva crítica sobre os mesmos ou se serão mais importantes os papagaios de papel que se lançam numa praia, em prol de um projeto de escola. 

Fica aqui ,para seguir , o Blog https://lsvld.blogspot.com/.

Música dos Madness- all rights reserved to Madness.

 

@mmalheiro

 

publicado às 12:27

# Da transversal à avenida da liberdade

a1865655ed0761d2cfca0e3d0b80f4b1.jpg

                                 [O tempo corre lesto. Há, no entanto, falhas cansativas no sistema criado por outros, afetando o ritmo circadiano dos dias. A viagem prossegue até ao próximo semáforo. Sempre verde, espera-se.]

@mmalheiro

publicado às 17:07

# Dançar na corda bamba

3b06b49c7890d7600482ed7724e942cd.jpg                                                    Lisboa, 1971, s/a

                           às vezes é verdadeiramente revoltante viver neste país: um sistema de gestão de recursos humanos, de gestão de processos claramente falho. diferentes sistemas informáticos, diferentes metodologias de trabalho, plataformas de vida profissional diferenciadas e claramente decadentes em alguns setores. onde está a inovação e agilização dos processos, onde ficou a noção de pensar no funcionário/ no colaborador em mais do que uma pessoa com um código de barras, um número interno como pessoa numa sociedade? onde ficou a noção de que um trabalhador é um ser humano e de que é possível pensar a gestão de processos muito para além da mediania?

às vezes é verdadeiramente revoltante viver neste país.

@mmalheiro

 

publicado às 15:37

# Da gestão do caos

6162e27d1c61b322d72b9d4cc740360d.jpg

                                                              in allposters.br

[ interrupção breve da sabática de escrita estival:. para se gerir o caos em qualquer situação, quer seja num aeroporto internacional, quer seja numa empresa, numa casa ou na vida diária, tem de se ter uma "inteligência lisa" como a água "lisa" ,sem ondulação, do mar.

Assisti um dia à gestão do caos numa loja de uma grande empresa, por parte de um CEO que passava por ali, por mero acaso. Em 10 minutos ficou tudo resolvido. Simples.]

As únicas coisas que evoluem por vontade própria numa organização são a desordem, o atrito e o mau desempenho.

Peter Drucker

@mmalheiro

publicado às 20:11

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Facebook