Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

horas extra

Blog de escrita nas horas extra dos dias

horas extra

Blog de escrita nas horas extra dos dias

# Os filhos dos professores em transumância

0af82cb539d9de608b39dab3c1b9b57b.jpg

Foto de weareteachers.com

Todos os anos se realizam concursos de professores, quer para contratar milhares ( muitos trabalham há mais de vinte anos), quer para vincular, quer para mobilizar de uma escola para outra, quer para mobilizar por doença , quer para mobilizar por mudança para outro serviço público.

Mas, para além dos professores que andam nesta transumância permanente, os filhos dos professores acompanham os pais ou ficam em casa com um dos progenitores ou com os avós. 

Conheci há anos uma colega que levou a filha com ela para Beja quando ficou quadro de zona pedagógica. Era  natural do Entroncamento. Outro caso, foi o de uma colega que levou os dois filhos com ela para o Algarve para efetivar pela norma-travão. O marido ficou na casa "base", no Porto.

No entanto, há casos  em que por despesas financeiras avultadas- casa, carro, gasolina, alimentação- deixam os filhos na "casa base" e as crianças ressentem-se : dormem mal, ficam num estado de ansiedade brutal. É o caso da filha de uma colega, que ficou em estado de ansiedade depois de ver a mãe inserir 548! códigos de escola junto à "casa base" e não dormiu só de pensar que a mãe poderia ir-se embora novamente.

É isto, é também isto, que deve ser considerado pela tutela na gestão de recursos humanos, na gestão de docentes : a gestão familiar. Os professores não são apenas um número de graduação.

@mmalheiro

aos filhos dos professores portugueses

publicado às 11:37

# Da sociedade automatizada

5972c23e373484099e132ac1d407fe7f.gif

Cinemagraph de Metropolis (1927)

A pandemia trouxe uma vida ainda mais automatizada, em que quem nos responde são os computadores, os avatares online que nos perguntam se queremos ajuda, os "taskers" com agendamento para montarem móveis , e até da escola dos nossos filhos nos respondem dizendo que determinados recados é melhor colocarmos na plataforma lms. 

Sinto a falta do contacto presencial com os amigos , com os conhecidos e até circunstancialmente com os funcionários das lojas do cidadão. Para se tratar de uma mera mudança de um dístico de residente é uma complicação para agendar, para seguir instruções online. Tem de ser tudo agendado com os serviços, por causa do Covid19. Mariano Gago que criou o Simplex meteria as mãos à cabeça se ainda aqui estivesse. Complicadex a automatização dos procedimentos. Não há agilização mas uma gritante complicação.

Se muitas vezes os trabalhadores dos call-centers atendem claramente em casa, noutras não há voz - apenas "carregue 1, tecle 2, deixe o seu número e será contactado em 48h". Palmas para muitos como hoje um trabalhador de um serviço público que às 7h53 já estava a responder a um email meu.Depois outra trabalhadora do mesmo serviço respondeu ao mesmo assunto passadas 6 horas. 

Para além disto, os agendamentos fazem-se por email e não respondem. A mensagem automática surge "responderemos em breve". De repente, tem-se a noção de que há uma estagnação causada pela pandemia mas também pela máquina gigante da burocracia.

Tem sido de aplaudir o trabalho da Task Force vacinando o maior número de pessoas, com ou sem agendamento, mas, de facto, o líder é um Vice-Almirante dos mares, com outra visão desta guerra em que vivemos.

Menos automatização , por favor! ( note-se isto é um blogue mas tenho-me dedicado agora muito mais ao objeto cultural mais interessante de todos: o livro!).

"Poderemos perguntar-nos se valerá a pena, neste momento, voltar a reafirmar que o investimento em ciência, em investigação científica e tecnológica, assim como o investimento em formação superior, aumentam a produtividade e promovem o crescimento económico e o desenvolvimento social e cultural, ou que a cultura científica é fonte de liberdade e de cidadania."

Mariano Gago, excerto do discurso no Parlamento (10 de novembro de 2010)

@mmalheiro

publicado às 23:00

# 300 horas de teletrabalho depois , um" tea time"

Hoje li, mesmo aqui no Sapo, que há empresas que estão a motivar os trabalhadores que estão em teletrabalho: aulas de Yoga, reuniões Teams, Meets, registos da atividade diária dos colaboradores de modo divertido. 

Uma das empresas de informática, que é apenas a do senhor dono de todas as "janelas" do sistema informático pioneiro , há alguns anos atrás já proporcionava pausas aos trabalhadores com sessões de massagem às costas, natação  e ginásio. Tudo para aumentar a produtividade e, no fundo, motivar para o trabalho. Ui, haja alegria para fazer pão, planos semanais, aulas síncronas, assíncronas, trabalho autónomo e formação online, ao mesmo tempo que se adormece o filho nos braços.

Neste momento a classe docente e milhares de pais confinados ( muitos são professores) precisam de algum ânimo, nem que seja digital, até ao desconfinamento que será, provavelmente, depois da corrida aos ovos da Páscoa.

Portanto, um momento "chá das cinco" todas as semanas com as equipas de trabalho das escolas, em direto com os filhos a interromperem uma aula síncrona para verem os "SuperWings", em cima da bicicleta de aulas de cycling que se comprou para abater os kilos do confinamento de há um ano, seria como diria "a amiga Olga" , Uau!

@mmalheiro

Nota.Obrigada à equipa do Sapo pelo destaque de ontem .

 

publicado às 23:25

# Meter o chico #

91ca4c7048931ea5bc18222cd1c736bf.jpg

all rights reserved to Sally West.

há dias um familiar contou episódios engraçados do tempo da tropa, antes do 25 de abril. falou em expressões únicas da gíria militar que podem ser aplicadas a outros contextos atuais,por exemplo, "meter o chico".

esta expressão tão simples e irónica significa "passar à reserva". muitas vezes nos questionamos quando devemos passar à reserva de uma profissão, por exemplo, quando atingimos quatro mãos cheias de trabalho, vinte anos de vida. será que podemos "meter o chico" , arriscar , e "desenfiarmo-nos" noutras andanças laborais mais apelativas?

@mmalheiro

publicado às 15:38

# Do ritmo circadiano de um trabalhador

Hoje surgiu a notícia (Fonte:LUSA) de que a Fenprof pediu ao Ministério Público para averiguar a morte repentina de três professores: uma em Manteigas em plena sala de aula, outra na Covilhã em serviço oficial ( corrigia as Provas de Aferição) e outro em Odivelas ( enviava as classificações por email). Como professora considero chocante esta notícia e lamento muitíssimo pelos meus colegas.

Há cerca de 7 meses um familiar meu teve um ataque cardíaco fulminante em pleno local de trabalho , num prestigiado Banco português. Com apenas 53 anos o  excesso de trabalho,- ter muito stress-, foi a justificação dada aos familiares diretos. Colegas que assistiram impotentes à sua hora fatal e tentaram por todos os meios a reanimação estão ainda de baixa psiquiátrica, a família ainda em choque com a perda inesperada.

Tanto no caso dos colegas como do meu familiar o problema é o mesmo: a doença do séc. XXI ,  o burnout.Primeiro, o excesso de trabalho quer a nível de procedimentos burocráticos no caso dos professores- que, muitas vezes se apresenta pela duplicação ou triplicação de procedimentos, nada "simplex" ,  tudo muito inclusivo, com muitas medidas universais, adicionais, etc. Depois, a disponibilidade do professor/ trabalhador- contactável via email, telefone, pessoalmente, fora do horário de trabalho, aos fins de semana, feriados ( obrigada a quem inventou o modo reencaminhamento do email oficial...).

Segue-se o trabalho que se leva para casa. No caso de um trabalhador da área financeira, passa pelo trabalho em modo controlo remoto, fora das horas de expediente. No caso de um professor há também muito trabalho- quer na preparação das aulas, preparação de reuniões, correção de testes de avaliação e todo o tipo de instrumentos de avaliação aplicáveis, correção de provas de aferição, exames nacionais, etc e plataforma informática. Onde fica a vida pessoal? Tem de ser meticulosamente programada como a escala de Bancos dos médicos.

O cumprimento do dever por parte de um trabalhador não é consentâneo com faltas por motivo de doença do próprio, dos familiares diretos ( pais, por exemplo) ou de filhos menores ( até aos 12 anos). Muitas vezes isso é visto como uma fraqueza por parte do trabalhador. Mau para a sua avaliação de desempenho. Por isso, os professores e todos os trabalhadores cumpridores ou entram em burnout ou partem fatalmente. Uma tragédia. 

Há 10 anos numa escola onde dei aulas e donde se avistava a pista 5.2 do Aeroporto de Lisboa lembraram-se de criar aulas de Yoga para professores, depois do serviço. No meu caso não corria muito bem , pois no meio do Ooomm só pensava na lista de compras do supermercado e não desligava. Foi nessa época que comecei a caminhar e a correr, primeiro na pista do Guincho, depois no paredão de Oeiras, fizesse sol ou chuva, seguindo as passadas de Murakami. Há três anos a cardiologista  recomendou-me muita caminhada e melatonina ( na versão natural)- sentir o coração como que a saltar-nos pela boca é aflitivo. Mais do que aflitivo. Responderem-nos-  tive um problema cardíaco - e então?- revela a perfeita desumanidade do meio laboral. 

Eu e muitos colegas não conseguimos este ano, nem correr, nem caminhar, nem esticar as pernas entre testes, reuniões de encarregados de educação, reuniões , papéis, papéis, papéis. Submergidos em papéis.

Valeu-me a alegria dos meus e a noção de que a saúde para viver e para os criar está acima de tudo, até do trabalho.

Aos meus colegas professores

Ao meu primo Xana, in memoriam

@mmalheiro

publicado às 23:33

# Um nicho de mercado chamado Homem

5b6ac6fdd2e6ed52ede0884c541082b3.jpg                                             foto de blog.brancoprata.com

a ideia central que subjaz a toda a criação empreendedora é a inovação; um nicho de mercado intocado e lucrativo. junte-se agora também a ideia da utilidade , usabilidade e acessibilidade e aguarde-se o fervilhar do negócio. para isso é precisa uma extrema resiliência e capital q.b. .

neste momento, criar tudo o que facilite a vida ao Homem, mesmo que não precise nem tenha pensado nisso, é a chave de tudo. [ como se fosse necessário pensar constantemente na utilidade das coisas e não apenas vivenciá-las.] paradoxalmente criar produtos de facilitação diminui exponencialmente a empregabilidade.

[ precisaremos de tanta coisa? criar significados, dizia um poeta, é vital. criar postos de trabalho, acrescento, é o fio de prumo da economia. tem de ser.]

ainda bem que alguém inventou a música, sempre a criar significados em nós.

@mmalheiro

 

publicado às 16:39

# Da cotação de um trabalhador em Portugal

b82651c47e1b36a46d9f1ca75efffd6a.jpg

                                  Foto Artur Pastor ( Douro)

                                 Há dias diziam-me que era absolutamente normal um trabalhador licenciado ter uma remuneração mensal de 600 euros. Normal não é. Talvez seja neste país em que se pratica cada vez mais aquilo que é denominado de "dumping laboral", o pagamento ao mais baixo custo possível.

Pensei, então, que tal como existe um "mercado" para os jogadores de futebol, os atletas mais bem pagos de sempre, qual será a cotação "em bolsa" de um trabalhador licenciado, com 4 ou 6 anos de estudo, versão pré-Bolonha e quase 20 anos de trabalho efetivo.

Qual será a cotação em bolsa de trabalhadores de quase 50 anos com precariedades laborais e imensa experiência de vida? Qual será a cotação em bolsa de jovens de 25 anos em permanentes estágios de inserção ( bolsa-emprego)?

Algo tem de ser mudado no Direito do Trabalho em Portugal, a bem de uma bolsa de valores verdadeiramente robusta  para todos os trabalhadores, de todas as idades e categorias profissionais.

@mmalheiro

 

publicado às 16:25

# Dançar na corda bamba

3b06b49c7890d7600482ed7724e942cd.jpg                                                    Lisboa, 1971, s/a

                           às vezes é verdadeiramente revoltante viver neste país: um sistema de gestão de recursos humanos, de gestão de processos claramente falho. diferentes sistemas informáticos, diferentes metodologias de trabalho, plataformas de vida profissional diferenciadas e claramente decadentes em alguns setores. onde está a inovação e agilização dos processos, onde ficou a noção de pensar no funcionário/ no colaborador em mais do que uma pessoa com um código de barras, um número interno como pessoa numa sociedade? onde ficou a noção de que um trabalhador é um ser humano e de que é possível pensar a gestão de processos muito para além da mediania?

às vezes é verdadeiramente revoltante viver neste país.

@mmalheiro

 

publicado às 15:37

# Do acesso bloqueado ( feat. Bjork and Thom Yorke)

Separao-de-correio.25.jpg                                                 Separação do correio, Lisboa, Portugal, via Pinterest

                              Li e soube hoje que vão ser dispensados (verbo mais suave do que o verbo demitir) 100 trabalhadores de um Banco português. 

Alguns deixaram de ter acesso ao seu serviço.:casos de irem fumar à rua e já não conseguirem passar o cartão de acesso. É gritante esta forma de tratamento a trabalhadores num Estado de Direito.

Passaram a ter o acesso bloqueado. A porta que agora se abrirá é a de casa. Uma pena.

I've seen it all ( all rights reserved to Bjork and Thom Yorke)

@mmalheiro

 

 

 

 

publicado às 21:39

# Wanderlust ( feat. Nyman)

a0f4596a2e7da7c3ce3a8bf6add0e955.jpg

                           [ a falta de ética dos outros ,em local de trabalho, leva-nos a repensar claramente a rota de vida. o que faremos quando tudo arde? gestão estratégica de voo. ]

                              bisadíssimo aqui e no Jazzística- Nyman - dá para correr e para pensar ...

                                                     aos que têm de redefinir voos e rotas, sem medo.

                                                        [ aos meus pais]

                                                    @mmalheiro

                                      

publicado às 23:13

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Facebook

Em destaque no SAPO Blogs
pub